shadow

Parlamentares ‘alarmados’ por relatórios enviados dos EUA disseram ao Brasil que poderia ajudar a reeleger Trump

cupom com desconto - o melhor site de cupom de desconto cupomcomdesconto.com.br


RIO DE JANEIRO – Membros do Comitê de Relações Exteriores da Câmara disseram sexta-feira “extremamente alarmados” com as afirmações de que o embaixador americano no Brasil havia sinalizado às autoridades brasileiras que poderiam ajudar a reeleição do presidente Trump mudando suas políticas comerciais.

Em uma carta enviada na tarde de sexta-feira, o presidente do Comitê, Eliot L. Engel, exigiu que o embaixador Todd Chapman produzisse “todo e qualquer documento referente ou relacionado a qualquer discussão” que ele tenha mantido com autoridades brasileiras nas últimas semanas sobre as tarifas de etanol de seu país, uma importante exportação agrícola para Iowa, um potencial estado de oscilação nas eleições presidenciais americanas.

A carta do comitê foi enviada em resposta a reportagens da imprensa brasileira nesta semana dizendo que Chapman, um diplomata de carreira, deixou claro às autoridades brasileiras que eles poderiam reforçar as chances eleitorais de Trump em Iowa se o Brasil elevasse suas tarifas de etanol.

A eliminação de tarifas daria ao governo Trump uma vitória comercial bem-vinda para apresentar aos produtores de etanol em dificuldades em Iowa, onde o presidente está em uma corrida estreita com seu rival democrata, Joseph R. Biden Jr.

O comitê da Câmara disse que estava abrindo uma investigação sobre o assunto.

O Departamento de Estado disse sexta-feira à tarde em uma declaração por e-mail que “as alegações sugerindo que o embaixador Chapman pediu aos brasileiros que apoiem um candidato específico dos EUA são falsas”.

A declaração acrescentou: “Os Estados Unidos há muito se concentram na redução de barreiras tarifárias e continuarão a fazê-lo.”

O jornal O Globo publicou uma matéria na quinta-feira dizendo que Chapman havia destacado “a importância para o governo brasileiro de manter Donald Trump” no cargo. Bolsonaro, um líder de extrema direita, estreitou o alinhamento com o governo Trump como sua principal prioridade de política externa.

Um jornal concorrente, o Estadão, publicou sexta-feira um artigo dizendo que seus repórteres confirmaram independentemente que o embaixador formulou seu argumento contra tarifas em termos partidários. O artigo dizia que as autoridades brasileiras que se reuniram com Chapman rejeitaram o recurso, recusando-se a ser atraídas para a batalha presidencial americana.

Leia Também  Fortes adições de assinantes e aumentos de tarifas mantêm a bandeira voando para Airtel

Nenhum artigo nomeou suas fontes. Mas Alceu Moreira, um congressista brasileiro que lidera o setor agrícola, disse ao The New York Times em uma entrevista que Chapman fez várias referências ao calendário eleitoral durante uma recente reunião que os dois tiveram sobre o etanol.

Ele disse que Chapman não o pediu explicitamente para ajudar a campanha de Trump ou abrir a disputa em Iowa – mas que o embaixador americano vinculou a questão do etanol à eleição.

“Ele disse: ‘Você sabe, temos eleições nos Estados Unidos e isso é muito importante'”, disse Moreira, contando a conversa deles. “Ele disse isso quatro ou cinco vezes.”

Na carta, Engel disse que se Chapman tivesse pressionado os brasileiros a ajudar a campanha de Trump, poderia ser uma violação da Lei Hatch, uma lei de 1939 que impede as autoridades federais de se envolverem em certas atividades partidárias.

“Essas declarações são completamente inapropriadas para um embaixador dos EUA”, escreveu Engel, democrata de Nova York, na carta, que também foi assinada pelo representante Albio Sires, que preside o Subcomitê do Hemisfério Ocidental, Segurança Civil e Comércio.

A carta pedia ao Sr. Chapman que “tranquilizasse o Congresso e o povo americano de que nosso embaixador no Brasil realmente representa os interesses dos Estados Unidos e não os interesses políticos e estreitos do presidente Trump”.

A promoção de termos favoráveis ​​para as indústrias americanas no exterior é uma prioridade essencial para os embaixadores americanos. Mas, nos anos eleitorais, os diplomatas americanos são lembrados para evitar qualquer ação que possa ser razoavelmente interpretada como partidária.

A carta do comitê também discordou da defesa do Sr. Chapman de um vídeo promovendo a campanha de Trump que Eduardo Bolsonaro, um deputado federal e filho do presidente Jair Bolsonaro, postou domingo no Twitter.

cupom com desconto - o melhor site de cupom de desconto cupomcomdesconto.com.br

O vídeo termina com um slide que diz “Trump 2020: A Grande Vitória”.

Questionado sobre o vídeo em entrevista ao O Globo, Chapman disse que não viu nenhum problema com o endosso de Eduardo Bolsonaro.

Leia Também  Até 40% de desconto em Samsung M30s, Redmi Note 8 e outros

“Sou um grande defensor da liberdade de expressão”, disse Chapman ao jornal. “E todo mundo é livre para dizer quem eles gostam e contra quem eles querem; Não vou contar a alguém que não pode falar a favor ou contra o meu presidente.

Engel e Sires, democrata de Nova Jersey, disseram que o embaixador deveria ter respondido de maneira diferente.

“Embora Bolsonaro tenha o direito de falar livremente, simplesmente não é apropriado que representantes do governo – em qualquer ramo do governo – promovam as campanhas de candidatos nos Estados Unidos”, escreveram os congressistas. “Acreditamos sinceramente que você deveria saber melhor.”

Eduardo Bolsonaro é o raro funcionário brasileiro que apoiou abertamente a redução das tarifas de etanol para os vendedores americanos. Em um vídeo que ele postou em setembro passado, ele disse que tomar um golpe no etanol seria um benefício para os exportadores brasileiros de carne e açúcar, melhorando as chances de um acordo de livre comércio entre os dois países.

“Isso poderia trazer tantos benefícios para nós como brasileiros”, disse o jovem Bolsonaro, um fervoroso defensor de Trump que usava um boné de beisebol “Make Brazil Great Again” durante uma visita à Casa Branca no ano passado.

Os Estados Unidos há muito tempo pressionam o Brasil a baixar tarifas de etanol. Essas negociações ganharam um novo senso de urgência nos últimos meses, com a pandemia de coronavírus levando a uma queda na demanda, e os vendedores americanos de etanol foram pressionados pela disputa comercial entre Pequim e Washington.

Atualmente, as empresas americanas de etanol podem vender até 750 milhões de litros de etanol ao Brasil por ano sem pagar tarifas. Quaisquer vendas além disso estão sujeitas a um imposto de 20%. O governo brasileiro elevou o limite de tarifas em setembro passado de 600 milhões de litros – um gesto destinado a dar aos produtores de açúcar brasileiros maior acesso ao mercado americano.

Leia Também  Depois de transmitir filmes e programas, é hora dos videogames

Trump elogiou esse movimento, chamando “Grande progresso para nossos agricultores.”

Mas Washington não conseguiu melhorar o acesso ao açúcar, o que deixou os brasileiros se sentindo amargurados.

O atual quadro tarifário do etanol deve expirar em agosto. Se os dois países não chegarem a um acordo, o Brasil aplicará um imposto de 20% a todas as importações de etanol, um golpe para uma indústria que está pedindo apoio financeiro.

Moreira, o congressista brasileiro que lidera a bancada agrícola, disse que disse a Chapman que os políticos brasileiros também tinham considerações políticas a serem consideradas, dadas as próximas eleições municipais em setembro. Os produtores de etanol nos estados do nordeste do Brasil encarariam vagamente as regras tarifárias que os colocariam em desvantagem competitiva.

“O produtor de etanol é muito importante em termos eleitorais? Sim, muito importante ”, disse Moreira. “Nós gostamos muito do povo americano, mas gostamos mais do nosso povo”.

O congressista Arnaldo Jardim, que lidera um bloco do Congresso brasileiro que apóia os produtores de etanol, disse que Chapman está negociando com um senso de urgência à medida que o prazo se aproxima.

“Vamos apenas dizer que ele está pressionando” as autoridades brasileiras, disse Jardim, acrescentando que ele não se encontrou pessoalmente com o embaixador sobre esse assunto, mas fala regularmente com várias autoridades que o fizeram. “Ele está dizendo que isso é fundamental para os Estados Unidos e fundamental para Trump”.

Orlando Ribeiro, chefe do departamento de relações comerciais e internacionais do Ministério da Agricultura do Brasil, disse que os negociadores esperavam chegar a um acordo sobre tarifas de etanol antes do prazo de agosto, que levasse em consideração os interesses de todos os envolvidos.

Salvo isso, ele disse que temia que Trump e Bolsonaro pudessem fechar um acordo por telefone no último minuto.

“O que poderia acontecer é que, na véspera, Trump poderia ligar para Bolsonaro e eles decidiriam aumentar todas as tarifas”, disse ele.



cupom com desconto - o melhor site de cupom de desconto cupomcomdesconto.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *