shadow

EUA acusam a Rússia de enviar aviões de guerra para a Líbia

EUA acusam a Rússia de enviar aviões de guerra para a Líbia 1
cupom com desconto - o melhor site de cupom de desconto cupomcomdesconto.com.br


CAIRO – As forças armadas dos EUA acusaram a Rússia de implantar secretamente pelo menos 14 caças na Líbia na semana passada para apoiar mercenários russos que lutam ao lado de um comandante sitiado em sua campanha para expulsar o governo de Trípoli, capital.

O envio dos caças pareceu confirmar o papel cada vez mais aprofundado do Kremlin na guerra de procuração, onde seu aliado líbio, o comandante Khalifa Hifter, sofreu uma série de grandes perdas na semana passada que causaram um duro golpe em sua campanha.

Os aviões de guerra foram repintados em uma base na Síria, a caminho da Líbia, para camuflar sua origem russa, disse o Comando Africano dos Estados Unidos em comunicado acompanhado por 15 fotos, incluindo imagens de satélite, que mostravam os aviões no ar e no ar. base na Líbia.

“Por muito tempo, a Rússia negou toda a extensão de seu envolvimento no atual conflito na Líbia”, disse o general Stephen Townsend, comandante do Comando Africano dos Estados Unidos. “Bem, não há como negar agora.”

As críticas extraordinariamente francas e públicas de um alto comandante americano ressaltaram a preocupação mais ampla do Pentágono com a crescente influência de Moscou na Líbia.

Até agora, a Rússia flexionou seus músculos na Líbia através do Wagner Group, uma companhia militar privada apoiada pelo Kremlin cujos mercenários deram um grande impulso ao ataque de Hifter a Trípoli no outono passado, no momento em que suas próprias forças estavam vacilando.

No fim de semana, as mídias sociais da Líbia foram inundadas com imagens de mercenários russos que seriam empregados pelo Grupo Wagner que se retirava das linhas de frente ao sul de Trípoli. Depois de passar uma noite na cidade de Bani Walid, eles foram levados de avião para a base aérea de Al Jufra, nas profundezas do leste da Líbia, controlado por Hifter, que também é onde o esquadrão de aviões russos pousou.

Sr. Hifter, 76 anos, ex-C.I.A. ativo que tentou derrubar o ditador de longa data da Líbia, o coronel Muammar el-Kadafi, na década de 1980, luta pelo poder na Líbia desde 2014. Baseado em Benghazi, no leste do país, ele está tentando expulsar os apoiados pela ONU. governo em Trípoli, no oeste, com a ajuda de apoiadores estrangeiros, incluindo Emirados Árabes Unidos, Egito e Rússia.

Os aliados de Hifter operaram a uma distância dos combates até agora, com suprimentos de dinheiro, armas e mercenários. Analistas disseram que a chegada do poder aéreo russo na Líbia pode ter implicações profundas.

“Não apenas o poder aéreo russo poderia alterar o equilíbrio militar na própria Líbia, mas este poderia ser o primeiro passo em uma escalada gradual para o que eventualmente se torna um destacamento militar russo permanente no país”, disse Michael Kofman, diretor do programa da Rússia na Líbia. o Centro de Análise Naval.

cupom com desconto - o melhor site de cupom de desconto cupomcomdesconto.com.br

O comitê de defesa da legislatura russa, a Duma, descartou as alegações dos EUA como falsas, informou a Interfax, uma agência de notícias russa.

O major Karl Wiest, porta-voz do Comando da África, disse que, durante vários dias nas últimas duas semanas, os pilotos militares russos levaram aviões de guerra MiG-29 e SU-24 com marcações da Força Aérea da Federação Russa para a base aérea de Khmeimim, na Síria.

Lá, os MiGs foram repintados e surgiram sem marcas nacionais.

Os pilotos russos continuaram sua jornada para a Líbia, onde o Pentágono disse que esperava que os jatos fossem pilotados pelos pilotos do Grupo Wagner. Não estava claro se os jatos haviam realizado ataques militares em apoio a Wagner ou Hifter.

Um diplomata ocidental que trabalha na Líbia disse que o destacamento parecia uma manobra do Kremlin para forçar a Turquia a desacelerar seu ataque a Hifter. A ameaça de retaliação – o diplomata chamou de “uma arma na mesa” – pode ajudar a garantir a retirada segura de combatentes russos enquanto as forças de Hifter se reagrupam, disse ele.

Havia evidências circunstanciais do campo de batalha para apoiar essa visão no fim de semana passado. Mercenários russos foram capazes de recuar das linhas de frente de Trípoli sem serem atacados por drones fornecidos pela Turquia, segundo relatos, sugerindo um acordo informal entre Ancara e Moscou.

As manobras da Rússia e da Turquia e a afirmação incomum do Pentágono refletem mais do que nunca que o conflito na Líbia, rica em petróleo, se tornou uma guerra por procuração, conduzida por patrocinadores estrangeiros que lutam por recursos, acesso ao petróleo ou uma vantagem em uma estratégia geoestratégica mais ampla concorrência.

Tanto o presidente Recep Tayyip Erdogan, da Turquia, quanto o presidente Vladimir V. Putin, da Rússia, têm interesses estratégicos e econômicos na Líbia. Erdogan concordou em apoiar o governo de Trípoli somente depois que assinou um acordo que cede os principais direitos marítimos à Turquia no Mediterrâneo oriental, um importante centro de exploração de gás.

Para Putin, a Líbia oferece uma chance de expandir sua presença no Oriente Médio, provocando temores americanos de que possa ser o local de uma presença militar permanente perto dos flancos do sul da Europa.

Declan Walsh reportou do Cairo e Eric Schmitt de Washington. Andrew Higgins contribuiu com reportagem de Moscou.

*As fotos exibidas neste post pertencem ao post www.nytimes.com

cupom com desconto - o melhor site de cupom de desconto cupomcomdesconto.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *