shadow

Argentina: Macri luta para superar anos de má gestão econômica e financeira desastrosa

Argentina: Macri luta para superar anos de má gestão econômica e financeira desastrosa 1
cupom com desconto - o melhor site de cupom de desconto cupomcomdesconto.com.br


Argentina: Macri luta para superar anos de má gestão econômica e financeira desastrosa 2O governo de centro-direita do presidente argentino Mauricio Macri, no poder desde dezembro de 2015, luta para reverter 12 anos de má gestão financeira e econômica, sob a ex-populista de esquerda Presidente Cristina Fernandez de Kirchner e seu marido Nestor Kirchner.

A Argentina, que já foi o país mais rico da região, continua sendo a terceira maior economia da América Latina, depois do Brasil e do México. No entanto, é bastante evidente que a Colômbia diminuirá lentamente a diferença, a menos que a Argentina adote um modelo pró-crescimento de longo prazo.

Embora a Venezuela continue sendo a pior economia gerenciada da América Latina, a Argentina, sob o ex-presidente, vem em segundo lugar, juntamente com a corrupção maciça.

A extensão total dos danos à economia da Argentina foi um pouco obscurecida pelo governo anterior. Isso se deve ao fato de que, uma vez que o governo assumiu o Instituto de Estatística (INDEC) em 2007, a manipulação política dos dados logo prejudicou sua confiabilidade.

Argentina: Macri luta para superar anos de má gestão econômica e financeira desastrosa 3

Cristina Fernández e Néstor Kirchner ocuparam a presidência da Argentina por 12 anos, ele de 2003 a 2007 e ela de 2007 a 2015.

Em 2013, várias agências, bancos e investidores estrangeiros não tinham mais confiança no INDEC.

Quando Macri assumiu o cargo, a inflação real estava em uma taxa anual de pelo menos 26%. No entanto, o governo estava reportando um nível, quase metade disso. Durante o primeiro ano de sua presidência, Macri ordenou uma emergência estatística, permitindo ao INDEC um ano, começar a calcular números mais precisos.

Enquanto isso, as empresas privadas estimaram que a inflação em toda a Argentina para o ano de 2016 provavelmente ultrapassou 40%. Isso seria ainda mais alto do que a taxa presumida de 38% a partir de 2014.

Essa inflação seria mais alta, durante o início da Presidência Macri, tem um alto custo político. Mesmo em 2017, o aumento dos preços ainda estava próximo de 28% e deve ser de cerca de 23% para todo o ano de 2018. Como esperado, o eleitorado está começando a perder a paciência, com a agenda fiscal e econômica reformista.

Macri também tomou a difícil decisão em relação à moeda argentina. Uma vez que ele permitiu que o peso flutuasse, removendo os controles de capital, desvalorizou-se 29% em pouco tempo. Isso aumentou drasticamente o preço de todas as importações, entrando no país, alimentando ainda mais a inflação.

Argentina: Macri luta para superar anos de má gestão econômica e financeira desastrosa 4

Buenos Aires, capital da Argentina, é a segunda maior cidade da América do Sul. É uma das únicas três cidades “Alpha -” na América do Sul e é a cidade mais visitada do continente.

Isso ocorre logo após o crescimento, que tem sido lento para um mercado emergente. Embora a economia tenha crescido 2,8% em 2017, seguiu uma recessão em relação ao ano anterior, onde a economia se contraiu -1,8%.

Houve um crescimento de 2,7% em 2015, mas mais uma vez, após uma recessão em 2014, onde houve um encolhimento de -2,5% da economia.

Como se pode ver claramente, o crescimento econômico geral da Argentina, nos últimos anos, tem sido insignificante.

O desemprego oscilou entre 7% e quase 9% desde 2013. A taxa atual não será reduzida muito, até que a economia possa crescer mais rapidamente, criando mais empregos.

À medida que a crise financeira se aprofunda com a Argentina, o crescimento real do PIB (Produto Interno Bruto), que era esperado em torno de 3,5%, foi reduzido para apenas 1,4% este ano e de 1,5% para 2,5% em 2019. O Banco Mundial, em particular, reduziu uma previsão de crescimento de 3% em 2019, para apenas 1,8%.

Alguns mercados emergentes foram esmagados, em 2018, causados ​​principalmente por um dólar mais forte (dólar dos Estados Unidos). O mercado acionário brasileiro perdeu -16% este ano, a Argentina caiu -22% e a Turquia caiu mais de -25%.

Argentina: Macri luta para superar anos de má gestão econômica e financeira desastrosa 5

A agricultura argentina é relativamente intensiva em capital, fornecendo hoje cerca de 7% de todo o emprego.

A Argentina é um mercado emergente dependente de commodities. Os governos anteriores quase sempre cometeram o erro ao tentar criar artificialmente uma classe média, sem modernizar a economia.

Apesar dos esforços governamentais anteriores, 25,7% da população total ainda é considerada pobre. Eles vivem com o equivalente a US $ 130 ou menos mensalmente. Um total de 35% das famílias obtém uma renda abaixo da linha da pobreza.

As pessoas da classe média estão ganhando US $ 341 e os ricos entre US $ 910 e US $ 13.681.

Isso significa 10% mais ricos, ganha 120 vezes a renda dos 10% mais pobres.

A economia da Argentina está agora em uma armadilha, com todas as opções suscetíveis de causar dor ao eleitorado. Além disso, o tempo para Macri pode estar acabando, pois os eleitores frustrados perdem a paciência.

Observadores externos identificaram dois erros críticos, provavelmente o novo governo.

O primeiro foi o levantamento prematuro de todos os controles de câmbio. Isso foi feito antes da redução da inflação e da estabilização da economia. Deixou a economia extremamente vulnerável a qualquer reversão nos fluxos internacionais de capital.

Argentina: Macri luta para superar anos de má gestão econômica e financeira desastrosa 6

Argentina no mapa global da América do Sul.

A segunda era a política do gradualismo para o maior desequilíbrio econômico herdado de 12 anos de má administração, sob os Kirchners muito mais esquerdistas e populistas.

As duas questões mais importantes agora são o enorme déficit orçamentário e o déficit em conta corrente externa.

Se as taxas de juros dos Estados Unidos (EUA) permanecerem excepcionalmente baixas, os investidores estrangeiros podem ter continuado a comprar dívida argentina. No entanto, com o Federal Reserve dos EUA (banco central) restringindo a oferta de dinheiro e o Tesouro dos EUA a 10 anos movendo-se para 3%, os investidores estão achando a Argentina muito arriscada.

O aperto das condições monetárias em outros lugares reduziu a liquidez global, colocando em risco o esforço de estabilização argentino. O peso agora caiu um terço em 2018. Isso ocorreu apesar o banco central que vende dólares no mercado de câmbio em grande escala, na tentativa de apoiar o peso.

O peso argentino é agora a moeda principal com pior desempenho em todo o mundo.

Argentina: Macri luta para superar anos de má gestão econômica e financeira desastrosa 7

Pesos argentinos

Para ajudar a estabilizar o peso no início de maio deste ano, a Argentina elevou a taxa básica de juros para 40%. Foi uma oferta dramática, para reforçar a moeda com 3 aumentos nas taxas em 8 dias. Nenhuma economia moderna pode sustentar as taxas de juros nesses níveis por muito tempo, sem uma recessão resultante.

As chances de uma recessão econômica aumentaram de 24,4% em abril para 68,1% em maio, segundo um estudo universitário realizado no país. Se uma recessão chegar, será a quinta na última década.

Atualmente, a inflação está em torno de 28%. Os consumidores argentinos já estão perdendo a confiança em sua própria moeda, mais uma vez. Há uma forte onda de cidadãos já acumulando dólares, pois a expectativa é de que a atual situação financeira e econômica só piore.

Argentina: Macri luta para superar anos de má gestão econômica e financeira desastrosa 8

Crescimento econômico histórico da Argentina de 1961 a 2016.

As metas de inflação do governo são de 17% para 2019, 13% para 2020 e 9% para 2021. Isso significa que os preços ao consumidor continuarão subindo rapidamente, e as taxas de juros precisarão permanecer elevadas em resposta.

Ao mesmo tempo, a dívida pública continua a aumentar, interna e externamente. Aumentou de 43,5% em 2013 para 52,6% no final de 2015. Apesar da mudança no governo, a dívida continuou a subir de 53,3% em 2016 para 57,1% em 2017. Embora a porcentagem total ainda seja relativamente baixa, a taxa rápida de aumento, continua sendo preocupante para muitos investidores.

cupom com desconto - o melhor site de cupom de desconto cupomcomdesconto.com.br

A economia argentina já está sendo atingida pelo aumento dos preços internacionais do petróleo e uma seca prolongada, a pior em 50 anos. Parte do declínio deste ano pode ser atribuída à seca severa no cinturão dos pampas. Reduzirá drasticamente o tamanho da colheita de milho e soja.

Argentina: Macri luta para superar anos de má gestão econômica e financeira desastrosa 9

Campo de soja nos pampas férteis da Argentina. A leguminosa versátil compõe cerca de metade da produção agrícola do país.

Dada a importância da agricultura para o mercado doméstico e internacional, o efeito será sentido em toda a economia. A Argentina testemunhou uma queda de 30,8% no setor agrícola apenas em abril, devido às más condições climáticas.

Em meados de maio, o peso da Argentina havia caído para um nível recorde. Havia caído quase 7%, para 25 por dólar. A moeda já caiu 26% em 2018, a pior dos mercados emergentes, já que o FMI (Fundo Monetário Internacional) disse que não estabeleceria nenhuma meta de taxa de câmbio para um acordo de reserva.

Em junho, o país estava caminhando para uma crise. A Argentina estava à beira de um colapso financeiro, quando o FMI iniciou as negociações de resgate, com o peso caindo ainda mais em relação ao dólar americano.

Argentina: Macri luta para superar anos de má gestão econômica e financeira desastrosa 10

Vinhedo na província de Mendoza. Argentina é o 5º maior produtor do mundo

O peso argentino dificilmente pode se recuperar, com o país prejudicado por persistentes déficits orçamentários, alta inflação e desequilíbrios comerciais.

Os empréstimos estrangeiros para financiar o déficit estavam causando a explosão do déficit em conta corrente.

No final de junho, o FMI concordou em conceder à Argentina uma linha de crédito de US $ 50 bilhões, para ajudar o país a sair de uma profunda crise financeira, uma vez que o peso havia caído 20% em relação ao dólar, somente desde o final de abril.

A confiança no FMI para um resgate continua controversa, já que muitos políticos da esquerda argentina ainda atribuem a crise econômica de 2001 a essa agência monetária internacional.

Argentina: Macri luta para superar anos de má gestão econômica e financeira desastrosa 11

Distrito Central de Negócios de Buenos Aires

O mês de junho também assistiu ao governo da Argentina, substituindo seus ministros de energia e produção, além de substituir o ex-presidente do Banco Central Federico Sturzenegger, que havia renunciado.

Apesar da infusão do dinheiro do FMI na forma de DSE, o peso argentino caiu outros 7% na primeira semana de julho.

A moeda depreciada, juntamente com a inflação que cresce rapidamente, apesar das altas taxas de juros, tornam a recessão agora muito mais provável. Se o déficit orçamentário do governo continuar aumentando, subseqüentemente ameaçará o acordo com o FMI.

Argentina: Macri luta para superar anos de má gestão econômica e financeira desastrosa 12

Trabalhadores ferroviários que seguem a linha férrea na Belgrano Railway, após investimentos estatais.

O governo precisará encontrar outros US $ 8,9 bilhões em cortes adicionais em 2018, para cumprir a meta revisada de déficit fiscal de 2,7% do PIB. Isso está abaixo da taxa anterior de 3,2%.

O déficit foi de 3,9% em 2017. Como parte do acordo com o FMI, precisará cair para um déficit para 1,3% do PIB no próximo ano e para zero até 2020.

Para cumprir essa meta fiscal, a folha de pagamento federal precisará ser substancialmente reduzida. Os subsídios ao consumidor terão que ser drasticamente cortados e as transferências fiscais para as províncias, significativamente reduzidas.

A infraestrutura principal projetada terá que ser adiada ou possivelmente cancelada.

As ações argentinas reverteram um pouco no final do segundo trimestre de negócios, depois que a provedora de índices MSCI atualizou o país para seu índice de mercados emergentes, uma pausa de meses de notícias econômicas sombrias. Mas esse desenvolvimento fornecerá apenas alívio temporário.

Argentina: Macri luta para superar anos de má gestão econômica e financeira desastrosa 13

O campo de petróleo de xisto de Vaca Muerta possui 16,2B de barris de petróleo e 308 pés cúbicos de gás natural. Estima-se que seja o terceiro maior do mundo.

Se ocorrer uma recessão, o déficit orçamentário aumentará automaticamente, à medida que a cobrança de impostos diminuir. Isso forçará reduções de gastos ainda mais rigorosas. Estes, é claro, serão politicamente impopulares. Esta será a segunda recessão, desde que Macri assumiu o cargo. As eleições presidenciais estão se aproximando, a próxima é em 2019.

Embora o partido de Macri tenha se saído bem nas eleições de outubro de 2017, nervos e paciência estão começando a se desgastar. Sua popularidade ainda é de 40%, mas está sob crescente pressão. Também é importante observar que o presidente Macri não tem controle, em nenhuma das casas do Congresso.

Como sempre, os eleitores argentinos têm a expectativa de que um novo presidente e governo possam simplesmente apagar décadas de políticas politicamente convenientes, mas economicamente arruinadas.

A oposição deixou o partido peronista, continua a agitar por salários mais altos e está organizando greves, para forçar o governo a atender às demandas trabalhistas em andamento.

A Confederação Geral do Trabalho, o maior sindicato da Argentina, convocou uma greve geral em 25 de junho. Foi em protesto às atuais políticas econômicas do governo. A paralisação dos trabalhos levou o país a quase paralisação.

Argentina: Macri luta para superar anos de má gestão econômica e financeira desastrosa 14

A Argentina é uma das principais economias globais do G-20.

Só se podem esperar interrupções trabalhistas adicionais. Se o presidente Macri for forçado a ceder concessões, para satisfazer parcialmente as demandas dos trabalhadores, retardará o progresso com déficits orçamentários e a taxa de inflação.

Macri, apesar de seu pragmatismo pró-negócios, pode muito bem ser forçado a restabelecer os controles de capital.

Ele prometeu relaxar gradualmente os inúmeros subsídios do governo, que distorceram o mercado ao longo dos anos. Seu objetivo era atrair uma nova onda de investimentos estrangeiros para a Argentina, que agora está ameaçada, dada a falta de estabilidade financeira.

A questão agora permanece: o presidente Macri pode mudar a economia antes de enfrentar os eleitores novamente em 15 meses? Ou, na sua falta, o eleitorado argentino lhe dará mais tempo para reformar as difíceis dificuldades financeiras e econômicas ainda enfrentadas pelo país?

Leia Também  Congresso pede sugestões para firmar posição sobre economia



cupom com desconto - o melhor site de cupom de desconto cupomcomdesconto.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *